47 Metros de Terror

47 Metros de Terror tem tudo para ser um guilty pleasure: claustrofobia, diálogos cheesy, duas raparigas bonitas no México e tubarões, que tiraram férias do Shark Week do Discovery Channel, para virem aqui dar uma dentadinha.

É um daqueles filmes produzidos directamente para home-video, mas resgatado à última hora da estante, para ter estreia na sala de cinema.

Com claro sentido de oportunidade, procurando obter a mesma reacção do surpreendente “The Shallows” de 2016, o realizador Johannes Roberts atirou Mandy Moore e Claire Holt para dentro de água durante sete semanas. Presas numa jaula, de máscara no rosto, para criar o ambiente de frio, medo e pressão, este summer movie fora de época tem um guião simples e directo: tudo corre mal.

O guincho parte e as duas irmãs vêem as suas férias afundarem-se 47 metros dentro de água. Quando batem no fundo: terror, tubarões e ar para uma hora. A comunicação com o barco é ténue, e só possível se saírem da jaula e subirem uns metros. Tudo tem de ser controlado enquanto aguardam pelo salvamento, pois o perigo de alucinações está próximo.

Mandy Moore, Claire Holt e Matthew Modine, como capitão do barco, fazem o que podem, lidando com motivações supérfluas, que os levam para o meio do oceano…onde não avaliam as suas decisões absurdas: se verem a jaula enferrujada já era suficiente para darem um passo atrás… não receberem mais botijas para terem ar e não alucinar, prova que este capitão não é lá grande coisa.

Com tubarões CGI, que não aparecem tantas vezes como esperado, 47 Metros de Terror é um thriller que se move pelas pontuações previsíveis de sustos e histeria, e tem ainda um twist (in)esperado. Que para muitos de nós esclarece que estaria melhor em DVD, para ser visto numa noite de amigos.

ESTREIA:11/01/17

 


About The Author
-

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>