A Vida de Uma Mulher

Stéphane Brizé apresenta-nos a vida da burguesa Jeanne, num registo impressionista onde os momentos são fracturas e memórias de 27 anos n’ “A vida de uma mulher “.

Adaptando a primeira obra de Guy de Maupassant, assistimos a um mote literário tradicional: como Madame Bovary ou Anna Karenina, Jeanne é uma heroína presa numa tragédia, que luta contra as privações e exigências do séc XIX, dominado por homens.

Terminados os estudos, a jovem casa-se com um irascível nobre que arruína todas as suas ilusões de vir a ter uma vida feliz. E mesmo quando uma nova alegria a impele, o seu filho leva a família à ruína.

Observamos este drama num 4:3 que confina e sufoca a passiva Jeanne, com uma narrativa que avança e recua temporalmente sem referência, guiada por voz-off.

Como laivos de um puzzle que se vai construindo, revela a violência física e emocional que vive dentro da sociedade patriarcal . Mas é o seu interior que é exposto, num ritmo sensível e sensual, como que se lentamente tocássemos a face de Jeanne e esta nos absorvesse.

Naturalista, A Vida de Uma Mulher é  uma espiral poética onde Judith Chemla se transcende na sua candura e raiva contida.

ESTREIA:10 AGOSTO


About The Author
-

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>