Clash – Eshtebak

Mohamed Diab aprisiona-nos num drama naturalista em combustão.

Uma carrinha da polícia vai sendo preenchida por vários prisioneiros de grupos opositores: de um lado, a irmandade muçulmana, do outro, apoiantes dos militares. E se lá fora, tudo é arma para atirar, aqui dentro, basta o olhar, que se sente como respiração na nuca: quente e extremamente ameaçador. Porque este filme provocador do realizador egípcio, acontece todo dentro da parte de trás da carrinha.

Aquilo a que assistimos em Clash é só uma pequena parte do conflito de 2013 que rebentou após a revolução egípcia, e no conforto da cadeira da sala do cinema, bem que estejam em sentido…porque nós estamos lá!

Lado a lado com religiosos e hipsters, com lobos solitários e famílias unidas, com jornalistas e inocentes sem opinião para o que os rodeia. Diálogos humorados e silêncios constrangedores vão-se atropelando numa espiral violenta que nos elucida do que vêem pelas grades: a brutalidade  dos motins coreografados com mestria, com rastilho curto.

Com um trabalho de câmara soberbo que nos frustra e nos expande, tanto naquilo que não deixa ver como no que realça com a proximidade, Clash é um filme visceral sobre raiva e crueldade, onde a exaustão não nos prepara para o que aí vem!

Na tradição de Lifeboat de Hitchcock ou Lebanon de Samuel Maoz, Clash usa o espaço para tirar o pior de cada um, mas também cria uma redoma para sarar as feridas de um todo. Neste caso, as de um país.

ESTREIA:10 AGOSTO


About The Author
-

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>