God of War

Playstation 4 | PS4 Pro

 

God of War chegou à Playstation 2 em 2005 para mostrar as capacidades técnicas da consola, e como fazer um jogo em 3D sem o controlo da câmara. A sua mitologia grega rendeu várias sequelas…mas em 2013… God of War Ascension, conheceu a sua primeira derrota, em forma de vendas. Nem os Santa Monica Studios, nem o Ghost of Sparta gostam de derrotas e após 5 anos de Ascension… está na hora de saber o que nos reserva o novo exclusivo da PS4.

Decorria o ano de 2016 e God of War abriu a conferência da Sony E3 de forma imponente!  Vimos Kratos como pai, mas também no papel de tutor: mais calmo, ponderado e sem as Blades of Chaos.  Anteriormente Kratos fora enganado por Aires, que o levou a matar a sua própria família… Mas nesta nova iteração não foge do passado. Aliás tenta criar um futuro, lado a lado com o filho Atreus, uma personagem curiosa, algo brincalhona, que serve como tábua rasa para os ensinamentos do seu pai.  É refrescante ver o que o homem que deitou o céu à terra, faz com uma segunda oportunidade. Juntos vivem a demanda de levar as cinzas da sua falecida esposa e mãe ao cume da maior montanha da região.

Logo os protagonistas vêem a sua vida dificultada, não por Odin, mas por Baldur, um Deus cujo o propósito sobre a família não nos imediatamente revelada.  Na sua viagem, passamos muito tempo numa pequena canoa, vamos ficamos a conhecer um pouco mais deste admirável novo mundo.

Não sendo um open world, é com satisfação que podemos rumar a todo o mapa, resolvendo muitas sidequests que nos serão úteis no futuro.

God Of War é conhecido por intercalar acção com puzzles e no novo título, essa receita não foi esquecida. Seja Atreus a aprender a ler novas línguas ou cofres com upgrades, o mundo está pejado de extras.

As conhecidas Blades of Chaos estão a gozar a sua reforma. Desta vez, Kratos usa Leviathan, um machado mítico, forjado por duas das personagens mais engraçadas que vimos nos últimos anos. E é incrível o grau de satisfação cada vez que arremessamos o machado e ele volta.  O combate é violento mas mais estratégico. Sentes a influência de DarkSouls onde podes lutar com ou sem armas, de acordo com a necessidade ou inimigos. Uma dica para quem ainda não jogou.

Se não tiverem paciência para um combate mais exigente e querem apenas jogar pela história, recomendamos o modo easy…porque mesmo em modo normal, o jogo exige de nós.

Agora podemos não só fazer upgrades às armas e técnicas de combate, mas também equipar e fazer stats upgrades, extremamente úteis em fases mais avançadas do jogo.  É um modo light de RPG que se dá pouco a conhecer, e que exige ao jogador uma certa curiosidade na forma e estilo de combate que poderá ter.

Tal como em 2005, God of War é um jogo visual e criativamente soberbo. Estética repleta de partículas e efeitos de luz, que torna a capacidade gráfica das PS4 um verdadeiro Deus.

Para o mais exigentes, na PS4 Pro, o HDR e a resolução 4K vão fazer as delícias de quem quer ver a consola a carburar. Mas mesmo na PS4 normal, a qualidade é absurda. Um pormenor bastante importante jogo… é que todo o jogo pode ser realizado num único take sem interrupções… isto claro se nunca forem ao tapete. Mas diz muito do design do níveis e da exigência.

God of War é um jogo magnífico, um passo gigante na vida do franchise e uma referência para a forma como os jogos offline devem ser construídos.

Prova que os jogos single player podem ser um sucesso artístico e comercial… onde basta uma boa história e uns pózinhos de gratificação pela nossa exploração.

God of war é um jogo dos Deuses.  

 

| Reviews, Slider, Videojogos |
About The Author
-

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>