OS MELHORES JOGOS DE 2016

Aqui estamos nós no último dia de 2016 e, olhando para trás, pode-se dizer que este foi um dos melhores anos de sempre em termos de jogos. Não só tivemos quantidade (38% de todos os jogos Steam foram lançados este ano) como tivemos muita qualidade.

É por isso altura de relembrar os jogos que mais impacto tiveram este ano e, caso ainda não tenham tido oportunidade de os adicionar ao vosso enorme “backlog” de jogos “que irão de certeza jogar… um dia destes”, é de lembrar que em muitas lojas online (Origin / Steam / PSN / Xbox) ainda estão a decorrer os saldos natalícios. De toda a equipa do Cinemic, umas boas festas e um bom ano de 2017.

BATTLEFIELD 1 (PC/PS4/XBOX ONE)

Numa lista dos melhores do ano, nunca poderia faltar Battlefield 1. Esperado com enorme ansiedade aqui pelo vosso escriba, não desiludiu nem um bocado e tem sido um sucesso de vendas. Possui uma campanha interessante e variada (sem ser demasiado longa), que serve de introdução ao que realmente interessa nesta série, o modo multi-jogador. E a este nível, superou todas as expectativas. Possui uma boa variedade de mapas (que vão do deserto aos alpes italianos), modos de jogo interessantes e uma solidez técnica irrepreensível (que fez esquecer os problemas de lançamento de Battlefield 4 há três anos atrás). Um dos jogos online mais populares neste momento, tem algo para oferecer para todos os gostos, desde o modo “Operations” que pode durar até 1 hora, até modos de jogos mais frenéticos como “War Pigeons” ou “Domination” que se terminam em menos de 10 minutos. Altamente recomendado.

Relembra o nosso Let’s Play

 

POKÉMON SUN & MOON (3DS)

Aqui está uma série que nunca deixa de surpreender, tanto pela sua vitalidade comercial, como pela capacidade de melhorar a sua fórmula a cada lançamento. Sucesso de vendas há 20 anos, é uma autêntica licença para “imprimir dinheiro” da Nintendo, continuando a atrair novas gerações com os desenhos animados, jogos de cartas e merchandising. Este título veio dar novamente uso à velhinha 3DS e, em vésperas do lançamento da Nintendo Switch, estamos com enorme expectativa para ver o que Pokémon nos reserva no futuro.

 

THE DIVISION (PC/PS4/XBOX ONE)

Para dizer a verdade, até bem recentemente este título estava longe de figurar nesta lista. Quando foi lançado em março, era um jogo divertido e tecnicamente impressionante (a recriação virtual de Nova Iorque está brutal), mas apresentava problemas técnicos e de gameplay. A principal queixa era que, uma vez atingido o nível 30, havia pouco a fazer no jogo. Mas Ubisoft não o abandonou e lançou em outubro um enorme patch v1.4 que veio revolucionar o jogo. O jogo online perfeito para jogar cooperativamente com amigos.

 

UNCHARTED 4 (PS4)

Depois de 3 títulos bombásticos na PS3 (e que foram remasterizados para a PS4), chegou em maio último o capítulo final das aventuras de Nathan Drake. Visualmente espreme a PS4 e dá-nos grafismos que não julgávamos estarem ao alcance da consola da Sony. A história continua um verdadeiro “blockbuster” de Hollywood, mas o gameplay não difere muito dos anteriores, havendo jogadores que se queixam do último terço da aventura ser mais fraco. Mesmo assim, é um digno “Fim de um Ladrão”, com um modo multi-jogador muito divertido e que, meses depois de termos acabo a história, continua a ser razão para manter o disco na consola. Obrigatório para quem tem uma PS4.

Relembra o nosso Let’s Play

 

TITANFALL 2 (PC/PS4/XBOX ONE)

Depois de Titanfall 1 ter sido um exclusivo da Xbox One e PC, a sequela teve direito a uma versão PS4 aquando do lançamento em outubro. Talvez por ter sido “ensaduichada” entre dois pesos pesados do FPS online (Battlefield saiu uma semana antes, Call of Duty uma semana depois), o jogo tem sido penalizado nas vendas. Mas quem a comprou, não se arrepende e jura a pé juntos que é o melhor FPS deste ano. De facto, o modo online não tem par e é fabuloso, apresentando um gameplay frenético e cheio de acção, suficientemente diferente da concorrência para se destacar. Mas o verdadeiro momento “Wow! Isto é fantástico!!!” dá-se na missão “Effects and Cause” que, em nossa humilde opinião, é o melhor nível de sempre em qualquer FPS. E sim, jogamos Modern Warfare e Half-Life, e essa missão supera qualquer uma existente nestes dois clássicos. Está construída à volta de uma ideia simples, mas que ainda ninguém se lembrou de utilizar numa campanha FPS. Não vamos dizer qual é, mas é tão boa que merece ser expandida em um jogo inteiro.

 

POKÉMON GO (IOS/ANDROID)

Dizer que este título teve sucesso quando foi lançado, é dizer pouco. Foi “o” terramoto pop-culture deste verão! Daqueles que merecem reportagens nas televisões e jornais, e que metem a jogar pessoas que ja não jogavam há muito, com a desculpa de estarem a conviver e passear. A nível de gameplay, não é nada de revolucionário, e com excepção das lutas em ginásios, não oferece interacção entre jogadores. Mesmo sendo maioritariamente uma experiência solitária, a melhor maneira de o jogar é combinar com amigos e dar um passeio pela cidade. Quando a Nintendo anunciou que iria trazer os seus jogos para o mundo dos smartphones, explicou que o estava a fazer para elevar a popularidade dessas franquias. Pokémon Go consegui isso, e muito mais.

 

OVERWATCH (PC/PS4/XBOX ONE)

Sim, sabemos que é mais um FPS nesta lista, mas este tem sido um ano de ouro para os FPS’s de qualidade, e Overwatch está no pelotão de frente com Battlefield 1 e Titanfall 2. Desde que foi lançado em maio que tem sido um sucesso imediato. Com um gameplay mais arcada e simples, que privilegia o posicionamento e estratégia em vez da pontaria, está mais próximo de um Team Fortress 2 graças ao seu gameplay “over-the-top” e às suas personagens carismáticas. Tem recebido um suporte exemplar por parte da Blizzard, com a adição gratuita de novos hérois e mapas. Um clássico futuro.

Relembra o nosso Let’s Play

| Notícias, Slider, Uncategorized, Videojogos | 0 Comments
About The Author
-

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>