O Jovem Karl Marx

O drama histórico de Raoul Peck é um bromance filosófico e político, que narra a intensidade intelectual de um jovem Karl Marx e a sua relação com os vários pensadores contemporâneos. Entre eles, Friedrich Engels, o filho de um industrial que investiga o nascimento da classe trabalhadora britânica. Decorre o ano de 1844 e Marx encontra assim a pedra que faltava para a sustentação do seu pensamento e o traçar do Manifesto Comunista. A sua amizade vai criar um movimento revolucionário que irá apresentar ao mundo os instrumentos teóricos para a emancipação das massas oprimidas.

Focado em recriar um momento fulcral entre a revolução Industrial e as revoluções democráticas de 1848, Peck tem a difícil tarefa de elevar o filme através de conceitos e pensamentos abstractos, onde a narrativa cresce com a pressão do diálogo e o debate a três línguas: inglês, alemão e francês. Marx e Engels são os agitadores do seu tempo e debatem sobre a influência do dinheiro nas relações e do trabalho para obter liberdade, escrevendo folhetins e livros de resposta a outros pensadores, enquanto lutam pelo seu bem-estar e os seus, numa narrativa secundária de paixões com pouco para explorar.

Num registo por vezes cerebral e manipulativo… outras vezes, como uma lição de história demasiado rápida para acompanharmos, culmina no Congresso da Liga dos Justos em 1847, onde Engels e Marx edificam a Liga Comunista. A obra “Capital” fica fora do filme, como ideal incompleto e abafado…pois a ironia vem nos créditos, onde uma montagem final ao som de Bob Dylan, com imagens políticas de grande impacto do século XX, que vão desde o Muro de Berlim a Nelson Mandela…lançam um olhar irónico de Raoul Peck, ao próprio filme que nos acabou de apresentar.

ESTREIA: 20/04/17

 


About The Author
-

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>