The Bad Batch – Terra sem Lei

A Girl Walks Home Alone at Night foi o filme de estreia de Ana Lily Amirpour. Melodrama com ecos de Jarmusch, Kaurismaki ou mesmo Lynch, apresentou uma abordagem feminina distinta no género vampiresco que alcançou estatuto de culto.

O seu segundo filme, The Bad Batch – Terra sem Lei, continua a sua relação pop com sub-géneros de exploitation, agora com espaço para canibais, alucinogénicos e referências como Mad Max, Jodorowsky, torture porn e os acid westerns dos anos 60 / 70.

Vencedor do Prémio Especial do Júri no Festival de Veneza de 2016, traz-nos mais um universo distópico onde criminosos e outras pessoas (sem razão distinta), são ostracizadas para lá de uma cerca.

“Lá” é o deserto, habitado por duas facções distintas: num amontoado de lixo vivem os canibais, culturistas e bronzeados que vagueiam em busca de carne para o seu barbecue; a outra: a cidade de Comfort, onde raves têm lugar todas as noites e os habitantes coloridos procuram The Dream, uma promessa stoner na figura de Keanu Reeves, que se resguarda atrás de mulheres grávidas, armadas.

O filme centra-se em Arlen (Suki Waterhouse), uma rapariga recentemente escorraçada, que é capturada pelos canibais, mutilada e presa para futuras refeições. Sem uma perna e um braço, acaba por fugir e abrigar-se em Comfort. Mas não se sente…confortável…e abandona a cidade, para dar de caras com a filha de Miami Man (Jason Momoa), uma criança que mais parece a Feral Kid de Mad Max, cujo pai tem alma de artista tanto para o desenho como para trinchar membros humanos.

Com muito pouco diálogo, parte do filme centra-se na evolução da relação amorosa entre Miami Man e Arlen, enquanto buscam a filha daquele, entretanto desaparecida para os aposentos de The Dream.

De visual estilizado mas forçado, The Bad Batch é retratado por Amirpour com truques simples de imersão, mas que se desmancham com lugares-comum…como uma trip de Arlen retratada no início de forma subtil, com uns simples neos projectados no rosto… que descamba numa imagética com o universo estrelar em rotação e o rosto de Arlen ao centro: quantas vezes já não vimos isto?

Uma banda sonora vasta, que vai desde Ace of Base a “All The Colours of The Dark” de Federale (piscar de olho ao giallo homónimo), reforçam a fábula e acompanham os cameos inesperados de várias estrelas de cinema: Giovani Ribsi é o maluquinho da aldeia, Diego Luna o MC que debita a sua música numa boom box gigante e Jim Carrey é o ermita de pele queimada com mais inteligência que a cidade toda junta.

Presenças metafóricas ou não de um final por vir, são arquétipos simplórios num guião desinspirado, que não chegam para manter o interesse no visual ou abafar as interpretações medíocres de Momoa ou Waterhouse.

The Bad Batch – Terra sem Lei é Ana Lily Amirpour a focar-se na estética e a perder-se no que a demarcou dos demais: ser singular, surreal e segura.

ESTREIA: 14/09/17

 


About The Author
-

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>