TODA A VERDADE

Ícone de um género repleto de seres biónicos, autómatos sem emoções, Keanu Reeves fez carreira como representação ideal do herói cyber punk…Johnny Mnemonic ou Neo são apenas alguns exemplos que por si só suportariam a escolha deste actor para, até, quem sabe, um dia, ser Case na adaptação de Neuromancer. E fez de John Wick, personagem de um film hard-boiled, bad-ass que revitaliza os bullet ballet à moda de John Woo…

Renée Zellweger, chegou a ser a nova namoradinha de hollywood e tinha todo um franchise para se agarrar, no papel de Bridget Jones…

Por isso, e com todo o respeito…por que raio é que foram fazer este Toda a Verdade?

Filme típico de sala de tribunal, Toda a Verdade explora o caso de Mike Lassiter, jovem de 17 anos acusado de assassinar o seu pai. Keanu é o advogado de defesa que elabora toda a sua estratégia com a “bullshit detector” Janelle, sua recente colega. Zellwegger é a mãe de Mike, e apresenta neste filme a sua nova cara… que tal como Keanu, tem dificuldade em mexer.

Com interpretações presas por agrafos e diálogos sem rumo na sala de edição, este novo filme de Courtney Hunt, até tem nuances noir e técnicas do mestre Hitchcock, que nos fazem saltitar a culpa entre o filho e a mãe, mantendo uma toada intrigante…durante os primeiros vinte minutos.

Depois desse período, é fazer a aposta para o assassino (que muito provavelmente estará certa) e ver o caso ser levado de forma entediante e obtusa.

Estreia: 10 de Novembro 2016


About The Author
-

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>